Mochilão – Chile (San Pedro de Atacama)

Este artigo está na(s) categoria(s) Uma noiva no blog!.

Já tínhamos programado um pouco mais, porque chegamos do Tour Astronômico por voltas das 01h30/02h. Então nossa manhã estava livre. Tomamos um café bem gostoso, de pijama hahaha, curtimos o hostel (ele é bem bacana), arrumamos parte da mala, e fomos almoçar em algum lugar por perto, para andar, conhecer mais um pouco da cidade, mas sem perder a hora.

Nos trocamos (colocamos biquini porque íamos em local que podia se molhar) e fomos esperar a van. Era um senhor muito engraçado quem nos recebeu. Desta vez tinha muitos brasileiros juntos. Primeira parada: Laguna Cejar. É a que tem maior concentração de sal no mundo, mais que o mar morto. E podíamos entrar yay \o/

Estava sol, quente, mas não abafado. Eu estava com muito medo de salgar no sol hahahaha 80% de sal na água e eu lá molhada no sol (shark né? hahahhaa). Eles não querem que passe protetor para não poluir, mas eu já tinha passado antes de sair. Para entrar no parque tem pagar 15.000 pesos chilenos cada pessoa. Tem ducha na saída, banheiro, é bem organizado.

Todos pronto, na beira da lagoa e coloca um pé. Gelo. É MUITO gelado. Mas, algum fenômeno acontece e logo seu corpo se acostuma. Mas, não é se acostuma como aqui, se acostuma mesmo, fica na mesma temperatura. Demorou, rolou gritos, hahahaha, mas entramos. Não de cabeça, porque não dá muito (tem que fazer mais esforço) e tem MUITO sal, então arde muito. E ai….boiamos! Sim! Você fica estático, parado na água de pé, e se deitar fica lá, sem movimento. É sensacional. Logo que saímos, secamos rápido. Na verdade, evaporamos rs. Fica todo o sal no corpo, você fica meio branco hahaha. Tomei a ducha, é gelada sim, mas quem liga depois de tudo que já passamos? hahaha. Troquei de roupa e partiu próxima parada.

Minha amiga não tomou a ducha e o biquini dela estava DURO de sal hahahaha.

Próxima parada foram os Ojos del Salar. São olhos d’água, que fazem espelhos imensos, refletindo o céu, montanhas. É muito lindo. O guia disse que tem época que dá para entrar, mas ele tem que estar em um nível mais alto.

De lá, fomos caminhar e ver o pôr do sol na Laguna Tebinquinche (entrada de 2.000 pesos chilenos cada pessoa). É lindo. É um lago gigante de sal.

Faz um colorido único. Reflete o céu na lagoa, as montanhas, o laranja, roxo, azul,… é incrível. Faz friozinho, mas nada fora do comum. Um casaquinho vai bem.

No final do dia teve muitos petiscos, suco, chá gelado e pisco sour que a agência preparou e comemos conversando todos juntos. (eu claro, atrai uma recém casada, que contou cada detalhe do casamento para mim. Hahahahaha).

Chegando no hotel tomamos um bom banho e fomos comer de novo naquele restaurante que tem um pescado fenomenal, sabem? O Charkikan. Andamos pelas ruas (já era tarde e eu não recomendo, é meio tenso, tudo fecha ‘cedo’ lá, tente estar entre 22h e 23h já no hotel).

Terminamos de arrumas as malas, pois um transfer (lembra que eu disse que não tem táxi?) iria nos levar ao Aeroporto de Calama no dia seguinte pela manhã.

thumb_IMG_4069_1024 thumb_IMG_4072_1024 thumb_IMG_4073_1024 thumb_IMG_4074_1024 thumb_IMG_4078_1024 thumb_IMG_4083_1024 thumb_IMG_4085_1024 thumb_IMG_4090_1024 thumb_IMG_4091_1024 thumb_IMG_4093_1024 thumb_IMG_4099_1024 thumb_IMG_4101_1024