Queijos e Vinhos

Este artigo está na(s) categoria(s) Clientes, Mirandella.

A Cris cuida dos eventos do Sam’s Guarulhos e agora a Elaine vai ajudar ela com o Sam’s Radial e nós vamos crescendo com essa empresa maravilhosa!

Sexta 10/09 houve nos dois clubes um evento com vinhos e queijos para os sócios aprenderem mais sobre uma prática tão gostosa! E também uma dica para receber amigos em casa ;p
O sommelier Thiago da Casa Flora deu um show de simpatia e entretenimento, sem contar no conhecimento sobre os vinhos. Para quem não foi, as dicas da degustação técnica com o toque da experiência de fazê-la.

Na degustação técnica você aprende como saber se um vinho é jovem, quantidade de álcool, ingredientes utilizado nele ou na barrica em que ele descansou, variação tânica (calma parece difícil, mas não é rs) e suavidade.
Primeiro escolha um taça com haste (as de cristais são melhores por serem mais finas, e não alterarem a temperatura do vinho) e evite tocar no corpo do copo. A temperatura é ambiente, mas ambiente com referência européia então o ideal é 14°C a 17°C. Com isso encha 1/3 da taça e deixe ele assentar.
Olhe para o vinho. Veja o brilho dele e a tonalidade. Os vinhos mais brilhantes e mais escuros são os mais jovens, os mais opacos e mais claros são os mais maduros.
Sabe aquela balançadinha na taça? Então agora eu sei para quê serve, rs. Com ela você vê a quantidade de álcool. Você tem que FIXAR os olhos na taça, nas paredes, é bem suave mas tem ‘gotas’ escorrendo. São as lágrimas, o copo ‘chora’ ao balançar. Após balançar, se escorrer devagar, finamenos espaçada, maior quantidade ( as gotas, lágrimas) isso indica que o teor alcóolico é alto. Se for mais grossas, menor quantidade/mais espaçada e mais rápidas o teor alcoólico é menor.
A próxima experiência é a olfativa. Pode CHEIRAR mesmo, colocar o nariz e aspirar. É questão de prática o Thiago disse (achei um pouco difícil reconhecer alguns aromas), quanto mais você conhecer de frutas condimentos, e provar vinhos, mais você identifica a goiaba, a cereja, a framboesa, o maracujá,.. e até bacon defumado, tabaco,.. que vêm das barricas onde eles descansam e se formam.
Agora você prova!
Engula devagar, deixe ele passear pela língua, sinta os aromas que você cheirou, perceba se ele ‘puxa’/’prende’ mais na boca (a sensação seca quando você come uma goiaba) são os taninos (viu! é fácil esse), com isso você vê o amargo e consegue medir a suavidade, se é mais seco, mais macio.
Com o tempo, fica mais rápido e natural.

A todos que sabem mais se falei algo errado, fiquem à vontade para corrigir,rs.

Os vinhos utilizados foram:
Santa Carolina – Chile/2006 – Reserva Carmenère
Nederburg – África do Sul/2009 – Pinotage
Pata Negra – Espanha/2007 – Cabernet Sauvignon
Messias – Portugal/2002 – Tawny

Adorei o vinho da África do Sul e claro o de Portugal! O vinho do porto é suuuper indicado para sobremesas e a dica do Thiago foi: no churrasco um vinho Merlot (a uva) é escolha certa ;p

E os queijos? Eles quebram o sabor de um vinho para se provar outro. Escolhemos o parmesão em cubos,(por combinar com vinhos mais fortes), o gorgonzola – patê (vinhos mais doces) e a mussarela de búfala que é neutra e versátil por ser fresco, foi usada com hortelã, escarola, tomate seco e peito de peru. Outros queijos da classe blue ou duro podem subistituir esses.

 
Delicioso né? Uma dica legal é chamar um sommelier para falar todo esse passo a passo, curiosidades, combinações, histórias…e você aproveitar a noite rindo e descobrindo novas culturas com os amigos.
Um beijo,Sam!