Análise de Menus – Finger Food

Este artigo está na(s) categoria(s) Mirandella.

Um menu charmoso que amo!

O mito que as pessoas passam fome é bem mito mesmo, deixamos tudo bem à vontade, e passamos grande variedade de itens.

O ponto é a festa combinar com seu estilo e dos convidados, para ninguém ficar perdido ou não saber degustar conforme as fases do evento.

A grande diferença dele é desde os canapés, incluindo salgados, assados ou qualquer item que tiver ser finalizado em algum apoio, como uma colherzinha, um copinho, um micro pratinho ou canequinha, algo que seja prático, para uma mordida (ou duas se tiver um apoio), e que interaja com os convidados.

É um menu para tirar muitas fotos, divertir o evento, deixar ele prático também, pois a pessoa pega da bandeja, come e já deixa em algum lugar a panelinha para o garçom retirar.

Não precisa de mesa, pode-se ter mas, se não tiver muitas, os pontos de apoio ajudam bem.

Ele fica bem à vontade se a festa for com muita música e balada, e também se for mais calma, mas com uma galera animada, que curte circular no salão.

Ele aceita muito bem ilhas gastronômicas e mesas de frios – abuse!

Nossas noivas fazem dessa forma mesmo 🙂

Ele não é um menu barato, ele já é perto do valor de um jantar, pois tem muitas louças inclusas, mão de obra para montar e garçons para servir. Ele tem versões básicas, mas ele não se compara a um  Coquetel.

Outro ponto, ele se aproxima muito mais de um menu de jantar empratado (mas em miniatura) com isso, ele tem entradinha (um caldinho, uma sopinha, um trouxinha de panqueca), tem saladinha mais elaborada (podem ser duas, se tiver veganos e se seus convidados gostarem bem!), e tem no mínimo 2 pratos principais mais elaborados: um Risotto, ou uma Massa, ou um Picadinho de Mignon com Aligot. Ele é bem classudo, e tem que ser!

Se gostar e estiver de acordo com seu estilo de festa, se joga! Nossos clientes AMAM esse menu!

E um salão que sempre nos indica e já indica esse menu é a Estação Gaia! Bacana né? Se for casar lá, dá um pulo aqui!

fonte: estilovero