Diário Mirandella

Este artigo está na(s) categoria(s) Diário Mirandella.

Creio que já falei sobre o tema: pedir descontos várias vezes aqui. Mas, infelizmente é o que mais nos rodeio.

Acho que já expliquei também que não temos o costume de enviar orçamentos extrambólicos de caros para depois oferecer 10% de desconto. Mandamos o valor real sempre, com uma ou outra pequena negociação.

Vale lembrar que quem vos escreve é também quem na maioria da vezes, acompanha cada detalhe do evento nas compras, itens que o cliente pediu/exigiu, alguma decoração pequena de doces e canapés, esses detalhes bobinhos que faz a diferença, sabe?

Quem também separa cada copo e prato, bandeja, rechaud, e cada item, em caixas com cuidado, isolados com plástico bolha e identificados. Quem acorda antes para chegar e ver o carregamento do caminhão e conferir cada item, para não faltar (até um botijão de gás se precisar). Quem fala com os garçons (ouve desaforo de alguns), mantem padrão em valor de pagamento e uma equipe em harmonia, sem berros e gritos. Somente profissionais.

Quem corre durante a montagem e organização do evento, horário de cada parte do menu e depois a organização, além de não esquecer a marmita dos noivos – para deixar tudo que serviu na festa.

Lembrando que tudo isso ocorre em um final de semana, e que abrimos mão disso pelo trabalho que escolhemos e pelo amor que fazemos cada uma dessas etapas.

Frente a esse cenário, quando nos deparamos com um pedido mal educado de desconto, a vontade de pegar o ser humaninho, sentar e dar o sermão: é grande.

Porque ninguém joga um valor. Ele é estudado. Ninguém é fora do planeta e sabe o que ocorre no seu país e principalmente com os itens principais do menu: farinha, leite, ovo, tomate, carnes. E ninguém é irresponsável de sair trocando itens só porque teve um mega aumento. Foi estudado, previsto e mesmo que entre nos lucros: mantem-se o padrão!

Isso é uma empresa de QUALIDADE. Prezem e lembrem-se disso.

Falar que tem qualidade é fácil, difícil é manter independente da ocasião.

parafraseando a dona da rede Sodiê: ‘com ou sem crise, ninguém vai trocar o leite condensado’.

E com ou sem clientes conscientes, ninguém vai sair na loucura de feche 100 e ganhe 50 convidados.

Continuaremos com nosso padrão, explicação de consumo e principalmente: pés no chão.

Isso faz uma empresa durar, com honra.